Lembrei-me de rever “A verdade dos factos” [Ploughman’s lunch] do Richard Eyre. Realismo inglês; política; jornalismo; cinismo q.b.- argumento de Ian McEwan- é quase o grau zero de “fantasia cinéfila”. Tenho ideia que nem sexo inclui.

Como será que o Doutor Kinoscópio classifica um fetiche destes?
“:OP

ehehe

Que engraçado. Lembrei-me deste filme por ter falado dele a propósito de outra coisa.

Nunca mais o revi. Mas, a razão de até ter gostado, nada tem a ver com onírico ou beleza estética- é mesmo por isso- os ingleses têm excelentes actores.

Só em Inglaterra consigo ir ao teatro. E eu detesto teatro.

Acertaste na mosca, rapaz.

Saromofilia.
Agora a sério: o cinema inglês não raramente até é bastante aceitável por um razão muito simples, óbvia e evidente – aliás, duas:
1. Essencialmente, é teatro;
2. Não tem perseguições automóveis obrigatórias (automóveis, cavalares, ou do quer que seja).

Comments are closed.