Continuando a história das ursas das rosas e dos ursos iniciáticos, passemos agora aos efeitos que a selvajaria pode provocar, quando eles e elas se ficam pela vida em bando.
c.1750

Entre os gregos chamavam-se ursas às meninas na altura do aparecimento das primeiras regras. Vemo-las como a a pequena e grande ursa das constelações, a musa Calisto metamorfoseada por vingança dos ciúmes de Hera.
loba capitolina, etruscosAs virgens consagradas a Diana também se transformavam em ursas selvagens e tinham equivalente nas lobas, as prostitutas das festas das lupercalias.
A bestialização, como degeneração do carácter manifestava-se nas metamorfoses dos heróis, associando os ursos aos lobos.
Lycaon. Gravura de Hendrik Goltzius (1558-1617) para  As  Metamorfoses  de Ovídeo, livro I, 209 e seguintes.

A licantropia de Lycaon, tirano da Arcádia, castigado por Zeus e transformado em lobo, por ter o mau costume de comer os convidados, foi acompanhada pela descendência de filhas como ursas.
Piero di Cosimo,O achamento de Vulcano em Lemnos, c. 1495-1505Em bandos de ursas guerreiras viviam as amazonas ou lemnianas, cujas artes de trabalho dos metais ensinaram a Hefaísto/Vulcano, quando aí foi parar, depois da expulsão do Olimpo.
As Lemnianas são as ursas impuras, sujeitas ao êxtase de mal sagrado, punidas por Afrodite a cheirarem mal e abandonadas pelos homens, revoltaram-se e degolaram-nos a todos numa só noite. Condenadas à esterilidade, são salvas pelo encontro dos viajantes – os Argonautas que com elas festejaram grande bacanal.
placa de bronze da ilha de Öland, Suécia, na Torslunda, séc VI dC.
No caso das irmandades de jovens ursos, as componentes homo-eróticas faziam parte da dos rituais de iniciação bélica. Atravessam uma vastíssima tradição guerreira que tanto passa pelos heróis das sagas nórdicas, como cavaleiros Teutónicos; da Távola Redonda ou Samurais e ainda podem chegar à juventude militarizada nazi.

O animal dos ritos guerreiros ou patrono totémico, tanto podia ser o urso, como o varrasco ou o lobo.
Por cá ainda temos a Porca de Mursa, que é bem macho e, muito provavelmente, mais um urso a juntar aos guerreiros galaicos ou aos Vetões que faziam parte da história.

Um relato datado de 1580* conta a recepção destes grupos de ursos guerreiros de Dauphiné fizeram ao monarca Henrique II, numa entrada régia em Saint-Jean-de-Maurienne, no caminho para Turin.
Uma centena de homens vestidos com peles de ursos, armados de espadas, patrulharam o monarca pela cidade, até o conduzirem à igreja. Organizados em quatro colunas, tocando tambores, à semelhança de marcha militar, fizeram grandes facécias, enquanto imitavam os animais patronos, subindo a mastros, largando gerozes urros, enquanto lutavam e dançavam em ronda. O festim selvagem ainda rondou em vários feridos, quando a mesnada guerreira lançou o pânico entre as montadas dos servidores do monarca que forma lançados de um ponte abaixo.

Destes bandos de guerreiros nórdicos, de tribos germânicas ou dos Berserkir do país de Gales, apesar dos protestos de defensores dos animais, ainda se mantêm as reminiscências nos famosos toucados dos guardas de sua Majestade.

, The Works of Rudyard Kipling Vol. VII: The Jungle Book, 1907.Foi nestas práticas de iniciação e sobrevivência na vida selvagem que Baden Powell, o criador do escutismo, se inspirou, tendo como modelo o Livro da Selva do maçónico Ruydyard Kippling.
E é aqui que entram os sobrinhos do Pato Donald. Os lobitos, escoteiros mirins, inspiram-se nos rituais maçónicos que assim denominavam os jovens que acolhiam. Lobitos também eram as crias falsamente nascidas dos rituais dos solstícios, quando os homens grávidos, cobertos de peles de animais, simulavam partos na natureza com o mesmo sentido purificador das regras das ursas ou da ferrugem do Robigus, como já havíamos referido anteriormente.

Quanto ao Huguinho, Zézinho e Luizinho, ainda se tramaram com aquela mania de se passarem por lobitos. A propaganda nazi viu neles um bom exemplo da utopia homo-erótica e desenhou-os em grande pompa, a citarem o Mein Kampf.

…………………………………
*Joseph Roman, La Guerre des paysans en Dauphiné (1579-1580), Valence, Chenevier imp. in 8º, 54p., 1877. p. 34-37.
Claude Gaignebet, op. cit.
Mircea Eliade, Rites and Symbols of Initiation: The Mysteries of Birth and Rebirth, Harper, 1965

ahahhahahahaha

és muito doidito

“:O))))

O menina, põe-te a brincar muito com eles e depois verás se são homo.

Por acaso tenho uma avental com muita pinta e desenhado por artista

“:OP

Tu és maluco, nem percebeste a boca à tradição homo dos maçons

ehehehe

Parece-me que estás a virar jacobina. E das piores, das do avental. E não é para lavar a louça. Fico a aguardar com um soriso a metamorfose.

Luís:

A usa tem marsapo…
beijinhos
………………..
“:O)))

Paulo:

Ainda o tens? que fofice. Toma lá uma grande beijoca

Claro que a Maçonaria anglo-saxónica tinha contornos completamente diversos das continentais.
Bj.

Querida Zaz,
grande posta! E não me refiro ao tamanho! O peluche que me deram aos seis meses ficou com o ego aos saltos!
Bjoka

chato é quando a tua colega te apanha na fotografia da “bare skin not bear skin” e pergunta com ar safado “mas que é que estás a ver luís?”

E daí talvez não seja assim tão chato…

O que eu me ri com a “utopia homo-erótica” e com a Porca de Mursa que é bem macho! lol

Comments are closed.