Adulphe Delorgue, viajante aventureiro do início do século XIX, depois de passar vários anos entre os Bantus, garantiu que nem os Cafres seriam capazes de matar, à nascença, um filho monstruoso.

Jane Alexander, African Adventure, 1999-2002

Livingstone, que na mesma época explorou a Àfrica Austral, ao descrever os costumes dos Béchuanas diz precisamente o contrário.
Qualquer ser disforme é imediatamente massacrado, bastando para tal nascer com os incisivos saídos- um tloto é um monstro- os gémeos podiam ser tidos por tlotos.
Jane Alexander, African Adventure, 1999-2002
Como testemunhou Livingstone, ao contrário das outras tribos, os Béchuanas não reconhecem nem deuses, nem ídolos e não possuem qualquer sentimento religioso.
Para os outros selvagens, os monstros eram entendidos como manifestações das divindades e, por essa razão, respeitados. Na ausência delas, a sorte do ser disforme é entregue às mãos dos humanos.

Ainda hoje os Bechuanas são considerados os povos mais inteligentes da região.

………………………..
Ernest Marin, Historie des monstres. Depuis l’antiquité jusqu’à nos jours, Jerôme Milton, Grenoble, 2002.

Quero dizer, se percebi (e acho que sim) não faz sentido incomodar-se por os outros baterem no seu lugar.

ahahahahaha

Ok. Não percebi mas já respondi lá.
ehehe

Nunca percebi o problema com o “gasto” das caixinhas de comentários, já que isto é à borla, mas enfim. O José não faz parte desses apertadinhos que se melindram com uso de caixas

“:O)))

e isto de escrever á pressa também é uma chatice. Olhe…descodofique! se precisar de explicações peça-as! fique bem

Podemos continuar aqui no seu espaço… é que estar a usar o espaço do outro é feio. Ou pode ser feio!
Nesses “bantous” acredito eu! que não sou de muito longe.No Viatlazinho ou nos Ruizinhos é que não… a esses ér que só se não puder ser-lhes bom! o que para infelicidade minha é o meu caso.
David

Comments are closed.