Dá que pensar como ainda não apareceram os temerários labradores e fiéis compagnons de route mais farruscos, a reivindicarem, pelo menos, 2/3 da autoria do manifesto do terrorista nórdico.

E com toda a legitimidade, diga-se.