cartas rogatórias e o tudo o mais, bem explicadinho pelo José

«Anda por aí a notícia da Visão de amanhã, sobre uma suposta carta rogatória do Reino Unido para as nossas autoridades.
É preciso que se diga que uma carta rogatória, vinda do estrangeiro, nomeadamente o Reino Unido que nem assinou protocolos de facilidade, nesse aspecto, com o nosso país, passa em primeiro lugar pelo gabinete de…Alberto Costa. Ou seja, o Governo conhece antes de ninguém o teor da rogatória. Depois, envia para a Autoridade que é a PGR. Depois…
Logo, é estranho que já se conheça o teor de uma rogatória que ainda nem estará no processo crime que corre termos por cá.
Mas vamos supor que até está e que diz o que a Visão diz. Isso significa que várias pessoas andaram a aldrabar, o que parece estar na moda: até agora não havia rogatória; não havia nem há suspeitos; não se fizeram diligências por causa de rogatória alguma. Esta versão, se for verdadeira é grave, porque além de aldrabice, não precisava de ser comunicada sequer. Quem o fez, se for assim, vai ter que explicar…se lhe perguntarem, claro.
Outra coisa:

Segundo a Visão, os ingleses querem saber as contas do primeiro-ministro. Como isso? É fácil de saber. Toda a gente sabe se quiser, porque estão na Rede, disponíveis à distância de alguns cliques. Aliás, não há hipótese de se o PM ter outras contas sem as declarar. É obrigatório…e não se vê como possa ter outras…pelo que a investigação penal, é mais do que certo que irá por aqui.
E não é por aqui que deve ir? O Código de Processo penal que temos a isso obriga. E quem o fez sabe que assim é.

Querem ver as contas? Aqui estão: (…)»

ler o resto, juntamente com as interrogações acerca da galinha gorda por pouco dinheiro e do silêncio dos partidos.