Pelas terras da Galiza, correm peliqueiros e cigarróns em memórias campestres de cobradores de impostos; lutas de mouros e cristãos e rithus pascalis feitos carnavais.

Mithras Sæcularis-saindo do ovo cósmico-Newcastle Museum of Antiquities

E, quem sabe, se naqueles chapéus em forma de mitra- pintados com os velhos animais totémicos, não ecoam taurobolia mitraicos, na forma do ovo cósmico, de ritos bem mais antigos associados aos solstícios e renovação das estações.

Entroido galego- relevos de cultos a Cibeles em Lugo

ver: MITHRAISM

O template do Cocanha é todo Calvin Klein. Se fosse para vestir tinha de lhe botar uma dissonância qualquer- tipo risca esverdeada pelo meio.

ehehe

Estes comentários ficaram uma vergonha
“:O)))

Em matéria de “popelines” e cinema não abro mão- acho sempre que sei distinguir o que está bem feito e o que está mal feito.

“cuidado pois é a sua opinião”

ehehe diz um empresário a uma esteta

“:O)))

Não é opinião, é verdade. Do mesmo modo que é verdade que há quem goste, apesar disso.

E devem ser muitos.
ahahhahah

(Eu até tenho um gosto muito abrangente- consigo apreciar o que nem usaria. E este é um exemplo do que apreciava mais dantes do que agora- ainda que só usasse uns modelos mais confortáveis.

Até nem sou muito clássica- quero dizer- não sou igualzinha ao template do Cocanha. Sou mais como a banda sonora)

eheheh

“Até porque o design já teve melhores dias”
.
Cuidado pois é a sua opinião.
.
O mesmo se passou com o calçado Mariano. A empresa tinha um design destinado a uma faixa etária com um dado poder monetário. Durante anos foi um sucesso. Porque o perfil e as preferências desse mercado-alvo mudaram, a empresa teve de ir atrá de um design menos clássico e mais casual/moda.
.
Lembro-me de entar numa sapataria Eco e ver sapatos que gostava.
.
Hoje já não entro. Os meus gostos pouco terão evoluído, o design da Eco foi atrás de outro perfil de cliente com outras preferências.
.

Pois é. Eu também falei nele por esse motivo. Não é para qualquer um.
Mas não imaginava que já chegasse a líder, até porque o design já teve melhores dias.

O dono da marca Fly merece-me respeito.
.
Tinha uma fábrica que trabalhava para o Private Label, ou seja fabricava calçado para as marcas.
.
Um dia, numa montra de uma sapataria em Londres ou Paris, reconheceu um dos sapatos que se produzia na sua fábrica e… ía tendo uma síncope.
.
Aquilo que saía da sua fábrica a 10 era vendido a 100.
.
Logo alí tomou a decisão de criar uma marca.
.
Depois de várias peripécias, numa feira de calçado, por impulso, propôs a uma marca inglesa em decadência comprar-lhes a marca: a Fly.
.

ehhehe muito obrigada, CCz- essa agora foi tramada. Realmente estas teses também são muito arrojadas- fazer de uma casca de ovo- mitra, não é qualquer um

“:O)))

Vou ver isso da Fly. Mas tem piada- o tipo a chorar-se tanto e na volta fino lá fora.

zazie,
.
Veja no Caderno de Economia, na página 17 na coluna da direita a caixa “Fly é líder em Londres”
.

Cara zazie,
.
Aprecio sobremaneira estes seus postais onde apresenta as suas teses.
.

Comments are closed.