Vai para ali uma gritaria da câncio capaz de fazer chorar as pedrinhas da calçada.
Queixa-se de não a deixarem ser jornalista porque é namorada e não poder ser namorada e jornalista. E sente-se muito discriminada por lhe querem tirar três liberdades de uma só vez – a liberdade de opinião mais a liberdade profissional e até a liberdade da personalidade, para a mandarem para casa do noivo.

Tudo isto, fruto de uma conspiração negra de machismo e inveja da pena e do ninho; a querem-na silenciar- logo a ela, que não é uma desocupada sem conhecimentos de escrita, como a Maria Cavaco e que nem precisa de andar de sapatos rasos como a subserviente da Carla Bruni.

Mas a coisa resolvia-se rapidamente: se quiser fazer desagravo ao seu “home”, na qualidade de cara-metade, vai ter de esperar que seja entrevistada para isso, como qualquer outra homóloga sua em qualquer parte do mundo, já que ser parceira de um PM não é questão privada só quando interessa e pública nos restantes dias.

Como não vive do encosto, como muitas outras e tem a profissão de jornalista, precisa é de conhecer o código deontológico desta actividade.
Isto, para evitar que use de novo a profissão para ir à tv defender o namorado, como se fosse o “Senhor Primeiro Ministro” que não conhece de parte alguma.

Aqui fica a informação para quando estiver menos descomposta.

  • Artigo 10 do código deontológico do jornalista:
  • “O jornalista deve recusar funções, tarefas e benefícios susceptíveis de comprometer o seu estatuto de independência e a sua integridade profissional. O jornalista não deve valer-se da sua condição profissional para noticiar assuntos em que tenha interesses”

….
Acrescento:
O jogo-de-faz de conta pratica-se a duas mãos. Também foi do gabinete de imprensa do PM J.S. que se ficou a saber que o cidadão J.S. apresentou queixa contra um colega da namorada f., neste caso, na qualidade de mera cidadã sem profissão, que nem lê jornais.

Os cachimbeiros? que cachimbeiros, pá?
isto aqui está reservado a franco fracnchi & ciccio ingrassia.

(small caps, claro e com muito drop namig rights)

…pera aí, ó filha, que os cachimbeiros já cá virão comentar o teu «ganda» texto!

P. S. Ver como vocês funcionam, na remissão blogosférica, em real time, é giro…

A rapariga deve andar com problemas na pombinha…sabe-se lá se demasiadas teias de aranha…

Comments are closed.