The Dreaming life of Leonora de la Cruz

Luís pacheco ou Manuel de Lima, para os menos viajados. Revolucionaram.

A senhora desflorou-se por outro lado? que marota… As Elites sempre estiveram na vanguarda da sexualidade.
Foi por isso que Henry Miller revolucionou.

Leste o testamento em Timor?

Que incrível.

Beijocas

então fica para depois, era só para te dar a dica que é uma história bem curiosa e uma mulher bonita, fundou uma ‘universidade’ para mulheres em Portugal, já que não podia casar desforrou-se por outro lado. Deixou as jóias em legado ao Prior do Crato. Imagina que li o testamento dela na casa da Fundação Oriente em Dili, e lá vi a menção à cruz de diamantes das princesas de Portugal.

bjocas

Olá estou dando uma passafa aqui para desejar um ótimo fim de semana
fique com Deus Antonio.

http://oblogdasnoticias.blogspot.com/

Viva,

Até queria mas esta série era apenas acerca das ligações entre a Leonora de la Cruz, personagem fantástica; a mulher do Max Ernst- Leonora Carrington e a Sor Juana Inés de la Cruz.

Beijocas

(o texto da Agnieszka Taborska não vale nada mas as gravuras da Selena Kimball são giras)

Não queres pôr a princesa Maria de Portugal? Se queres mando-te uma foto. Era bem gira, filha de Leonor, era a princesa mais rica e mais culta da cristandade, não podia casar por causa do dote excepto talvez com o primo-irmão Filipe mas a maldição de Aviz- Habsburgo já estava no ar, os filhos de D. João III morriam que nem tordos, consanguinidade diríamos nós hoje, diabetes juvenil etc., mas na altura dizia-se que Leonor tinha amaldeiçoado aquilo tudo porque D. João III não tinha ousado voltar-se contra o pai Manuel que a desposou, quando ia prometida ao filho.

Comments are closed.