«Entre as imagens de violência que ilustram a instauração do regime republicano em Portugal, sobressaem as que mostram as humilhações infligidas aos padres da Companhia de Jesus. Assaltados nas suas casas religiosas por fortes contingentes armados, presos, agredidos, insultados, expulsos do país, passaram ainda pela enxovalhante operação de medição dos seus crânios no posto antropométrico da Penitenciária de Lisboa, onde se faziam os estudos sobre a constituição física dos criminosos, para confirmação das teses em voga sobre as relações entre a criminalidade e as anomalias anatómicas. Todos os países “modernos” tinham laboratórios antropológicos nas suas prisões, e embora Portugal não tivesse investido muito nesse domínio, o partido republicano, apóstolo dos métodos “avançados” e “científicos”, advogava a mais completa submissão da justiça portuguesa às teses de Lombroso e seus discípulos, que tinham conquistado a admiração de toda a Europa.
Na primeira semana de vigência do regime republicano, o ministro da justiça Afonso Costa, entrevistado por Joaquim Leitão, prometia um novo código penal, que daria “ampla satisfação a todas as theorias da moderna escola criminalista”» (Joaquim Leitão, A Comedia Politica. Lisboa, Bertrand, 1910).

A ler na íntegra, no Centenário da República

Neste caso, o Miguel Bombarda tinha o projecto de enviar os irrecuperáveis para uma ilha.

Acontece que teve o azar de ser morto por um louco que até era laico.

Estatisticamente é capaz de também se poder retirar qualquer lei daqui.

ehehehe

eheh

Eu sempre adorei o ‘arranjar’ de argumentos que sustentem um facto. A estatistica tem sempre destas coisas hilárias (como diz o outro :))

Mas podia ser pior… imagina que lhes dava para pesar os tomates, ou medir o comprimento da dita cuja… estatisticamente concluiam sempre qualquer coisa.

RB

Comments are closed.