O bacano do Antónimo completou a passagem do Nicodemos com uma do Bernanos que ainda é mais bonita- o milagre das mãos vazias.

É isso. Beijinho CCz e, mais uma vez, obrigada.

Há um ditado francês que reza mais ou menos assim:
.
É bom que o marinheiro reze, mas convém que também reme.
.
Na minha interpretação: Quem não se ajuda, não merece ajuda!
.
Bem vou andando que amanhã é dia de trabalho
.
Beijinhos zazie
.

Aquela passagem do Nicodemos também já a tinha postado.

assim Por causa do Fugiu um Condenado à Morte (o vento sopra onde quer) do Bresson

ehehe

Foi de forma artística mas, pelo menos, acho que não foi desonesta

“:O))

“pequenas questões factuais”
.
Tenho a disciplina de escrever no meu blogue precisamente por isso, é como se a nossa memória se ampliasse.
.
ccz

Aquele sábado serviu-me para pegar nos Stromata do Clemente de Alexandria.

Já houve melhor que isso com o Vítor Mácula no Trento.

É muito raro conseguir-se desenvolver alguma coisa por este meio.

Agora pequenas trocas até de gostos, claro.

O mais simples e que até pode ter valor é a leitura de jornais com desmontagem de notícias.

O José consegue fazer isso no Portadaloja. E depois acrescenta-lhe notas do espantoso arquivo que tem.

Isso sim- pequenas questões factuais que tendem a ser noticiadas com erros e que se podem corrigir com informações específicas de quem sabe.

“Claro que um bom gozo ou exercício de raciocínio pode-se fazer.”
.
Sim, como foi o caso daqueles sábados sobre Kant.
.
ccz

Mas isso é vício byte.

O mundo virtual é nefasto e só tende a agravar essa facilidade de tudo se arrumar de uma penada.

Claro que um bom gozo ou exercício de raciocínio pode-se fazer.

Agora teoria é treta. E até penso que muito nefasta para gente nova que assim até desaprende e deixa de estudar e pensar com tempo.

Ah, ok- eu nunca dei grande valor a ela, a menos que e confronte com o oposto- a irracionalidade a fazer-se passar por pensamento.

E estou de acordo consigo. Até dei o exemplo da Antígona porque foi a primeira ideia que me ocorreu.

O que já existe há muito tempo tem o peso de uma sabedoria que não se inventa a martelo e muito menos por consensos democráticos.

Olhe- o exemplo dos valores- vão à vida em indo a consenso democrático. Depois o que está certo passa a ser a opinião da maioria- mesmo que seja algo anormal.

Vivemos isso neste mundo às avessas- As causas fracturantes são produto de supostos consensos racionais e democráticos.

E na volta é irresponsabilidade. Porque o voto, no máximo, durará a vida de uma pessoa. Ninguém lhe pede responsabilidade pelas consequências dele para o futuro- para o que está para vir.

“E só vai a debate o que foi longamente pensado- no caso de se querer fazer alguma coisa com isso.”
.
Cada vez mais isto acontece menos!
.
Qualquer pessoa quer discutir qualquer assunto.
.
ccz

Contudo, o concordar que não é possível chegar a um consenso também abre a porta ao relativismo de valores, essa caixa de Pandora.
.
ccz

Ccz,

Começando logo por se saber em que consiste uma discussão racional e civilizada e para que servem consensos.

Uma discussão é sempre troca de pontos de vista e para se pensar é preciso reflectir- coisa que não se faz em debate.

Por outro lado- nada é completamente racional. Quanto ao civilizado nem sei o que quer dizer.

Um debate ou bem que é feito com inteligência e domínio do assunto por quem nele entra, ou não é nada.

E só vai a debate o que foi longamente pensado- no caso de se querer fazer alguma coisa com isso.

Quanto a consensos- há-de depender do assunto ou da prática.

Se forem políticos são coisas totalmente diferentes de científicos ou meramente teóricos.

Consensos impostos por “punhos-de-renda” até pode ser mero abanar de orelhas e dizer que sim.

Hoje, tenho a razão em boa conta, mas já não lhe dou a importância do passado.
.
E descubro o papel da tradição, dos valores dos antigos, o que foi testado pela vida ao longo de séculos e que não pode ser objecto de uma compreensão profunda pelo lado racional.
.
ccz

Quando cheguei à blogosfera era um quasi-jacobino bem intencionado (são-no quase todos se calhar) com um crença e confiança na razão que nos liberta e nos abre os olhos.
.
ccz

Trata-se de um tema sobre o qual não tenho estudado ou reflectido ou mesmo lido.
.
Mas quer-me parecer que faz algum sentido aquela cena de que nunca chegaremos a consenso através de uma discussão racional e civilizada.
.
ccz

Precisava de me inteirar destas coisas para poder discutir o assunto.

Não faço ideia. Nunca li nada e acho que nunca pensei sequer nisso.

Já li.

Pois, apenas pelo texto, é óbvio que o consenso é treta e ainda mais, se se quiser tornar verdade em qualquer ramo do saber.

Mas, imagino que a questão não se fique por aí e quanto a democracia radical ou algo perto da democracia directa, não é coisa que me agrade.

Quanto mais, pelo facto de ter de existir uma base de ordem que não depende de votos.

Eu tenho cá a minha costela de Antígona

ehehe

Obrigada pelo texto. Não sei se estava a pensar que teria a ver com aquela outra “coisa”.

Aí, até era o oposto- foi à conta desse consenso democrático que veio o ataque da “kantofobia”.

Por ali não se aprende nada.

Fico a aguardar para troca de impressões.

ok, resultou, Ccz. Vou ler.

Muito obrigada. V. é mesmo uma simpatia.

Recebeu?

Se isto resultar encontra um ficheiro pdf aqui:
.
http://www.adrive.com/public/21e3b8b7d05379fc08263f70c154513de632a0e6be4f625ea05d02cd44c0a326.html

Comments are closed.