Dedicado aos coninhas do mar; morcões de telenovela e quejandos lulistas da silva que, tal como a Maité, também se enojam muito só de pensarem nos 800 anos da mais despótica ditadura monárquica.