«os prisioneiros, longe de se renderem diante do que se lhes faz, conservam um ar alegre nos dois ou três meses que estão em poder do inimigo; incitam seus donos a apressar-lhes a morte; desafiam-nos, injuriam-nos, lançam-lhes em rosto a sua covardia e o número de batalhas por eles perdidas contra os seus. Conservo uma canção feita por um desses prisioneiros, onde se encontra este lance: “Que venham todos quanto antes, e se reúnam a comer minha carne, porque comerão ao mesmo tempo a de seus pais e avós, que outrora alimentaram e nutriram meu corpo. Estes músculos, diz ele, esta carne e estas veias são as vossas, pobres loucos; não reconheceis que a substância dos membros dos vossos antepassados ainda está em mim’? Saboreai-os bem, que achareis o gosto da vossa própria carne.»

Montaigne, Dos canibais

«Aqueles que escandalizam as crianças merecem que lhes coloquem uma pedra de moinho no pescoço e os lancem no mar». Papa, citando evangelho de Mateus.

Por alguma razão apenas os selvagens e a Igreja são capazes de assumir erros colectivos e pedir perdão por eles.
Os outros, negam; ou dizem que a culpa é do sistema.

Pois é Laoconte, ainda que eu não desculpe a Igreja, a verdade é que nenhum país tem a vergonha que nós temos. Um partido que tomou as dores dos entalados e ainda levou aos ombros e em cortejo triunfal, um deles, até à Assembleia.

Já para não falar nas pressões políticas que se conhecem.

até houve quem tentasse lucrar umas centenas de milhares de euros à custa das vítimas.

Pois é isso mesmo, Luís.

Estava a ver que me iam apedrejar por ter feito um post um tanto anormal.

Mas não me apeteceu explicar porque me lembrei dos selvagens.

A verdade não se “civiliza”, por isso é que ninguém a quer carregar.

Eles nem dizem que a culpa é do sistema. Eles são o sistema e alteram-no para a sua própria protecção.

A beleza das selvagens não posso sancionar em geral por falta de prova pessoal.Mas a mulher mais bonita que vi era uma selvagem cobreada de tanga e seios á mostra que aprendeu em 5 minutos o que era vergonha ao ver muitas dezenas de homens a admirá-la, antes de a vestirem…
Ainda tenho o arco e as flechas do seu guerreiro…

Comments are closed.