Veríssimo, Máxima e Júlia – Mártires de Lisboa 303-304- Museu Carlos Machado, Ponta Delgada, c. 1530.

«Há já 358 anos que injustamente tendes as nossas cidades e a posse das terras, havidas antes de vós pelos cristãos, aos quais não levou para a fé a espada do exactor, mas a quem a palavra da pregação os tornou filhos adoptivos de Deus, no tempo do nosso Apóstolo S. Tiago e dos seus continuadores, Donato, Torcato, Secundo, Aleixo, Eufrásio, Tesifonte. Vitório, Pelágio e muitos outros varões de carácter apostólico. Nesta mesma cidade é testemunha disso o sangue dos mártires Máxima, Verissimo e Júlia virgem, derramado pelo nome de Cristo, no tempo de Ageiano, governador romano»

D .João Peculiar, arcebispo de Braga-(† 1175) cfr. Conquista de Lisboa aos mouros. Narrada pelo cruzado Osberno.

11 de Maio, Tertia Feria (não é dia de marte desde o século VI), Lisboa, 2010

«De Lisboa, partiram em grande número gerações e gerações de cristãos.
Glorioso é o lugar conquistado por Portugal entre as nações pelo serviço prestado à dilatação da fé: nas cinco partes do mundo, há Igrejas locais que tiveram origem na missionação portuguesa»

Papa Bento XVI.

e tu, fazes puzzles com bichinhos do jardim-zoológico?

ahahahaha

É… só lá faltava o bode gótico.

“:OP

Essa da quinta da virtual ultrapassa-me. Eu cá já tenho jardim ao vivo de sobra para chatices com guerras com vizinhos e piquete de bombeiro por causa de micro-fogueira.

Não sou capaz de fazer paciências dessas nem de cartas. E nem consigo ver ninguém a fazê-las. Dá-me vontade de atirar com tudo pelo ar.

“:O)))))

Pois, pois, ‘tás pior do que supunha… Ainda vais acabar a ordenhar vacas que não existem! LOL

P. S. Não percebes a quinta? Percebes pois, o facebook é só vacas e cabrões! 🙂

Mas é mais ou menos como dizes. Um local de pacificação onde sei que não vou insultar quem entra.

abhahaha

Como isso é coisa rara, só estão lá uns privilegiados. E também não misturo amizades pessoais (apenas um ou dois casos que calhou). Mas é treta a que nem ligo. E aceitei apenas para ver se tenho ou não tenho bons feelings.

Eu acho que tenho e não têm explicação.

Ai foi por mail? ok.

Eu acho aquilo anormalzinho mas não consegui evitar experimentar.

ehehe
A cena mais idiota é aquela treta da quinta. Não imagino como possa haver gente adulta e aparentemente normal, a fazer agricultura virtual e a mugir vacas net

“:O))))

Mas eu tenho por lá umas fotos de família e, apenas por isso, não dou abébias.

E qual «privado»? Aquilo é um alguidar roto, e ainda por cima foi inventado por um gajo ligado à CIA.

Aquilo é um nojo. Por isso lá não me apanham. O que aconteceu foi que tínhamos uma rede social Ning, os gajos queriam dinheiro agora, e mandámo-los ir cagar ao mato, e apagaram. O Ruela lembrou-se entretanto de fazer aquela merda no facebook, porque há malta n’O Bar que também gosta de tagarelar.
Mas já temos uma comunidade só nossa quase pronta… 🙂

Cuscar?! O teu e-mail estava na listagem e enviámos os convites.

Andas mas é a ficar paranóica com esta merda dos blogues… 🙂

Mas bem que suspeitei que era ideia macaca tua.

ehehe

Que é que querias cuscar?

“:OP

ahahaha

Estás a falar daquilo que eu penso? de uma cena que é a dar para o privado?

Sim. Aí não dou abébias. Só aceito gente acima de qualquer suspeita.

O que não é o v. caso (logo a magote).

“:OP

Amén!

Tiveste medo d’O Bar do Ossian, ó borrada da pintura? 🙂

Comments are closed.