De vez, esta palhaçada dos subsídios às escolas privadas.
Lido numa caixa de comentários:
Trader
Posted 1 Fevereiro, 2011 at 22:04 | Permalink
Exemplo de verdadeiro subsídio:
– 45 milhões € de apoio do Estado ao investimento da espanhola Aquinova (Pescanova) em Mira, metade do investimento!!), a maioria dos trabalhadores recebe ordenado mínimo. Em contrapartida há décadas que os produtores portugueses nunca conseguiram investir significativamente nesta área por restrições ambientais e burocracia kafkiana.
– Dezenas de milhões € de apoio ou benefícios fiscais do Estado à sueca IKEA e muitas autorizações para centros comerciais, a maioria dos trabalhadores nas fábricas recebe ordenado mínimo ou pouco mais. Nas lojas não devem ser muito melhor. Em contrapartida as empresas portuguesas do ramo mobiliário agonizam em impostos sem fim. E concorrência desleal também, pois há anos se sabe que a IKEA usa um sofisticado esquema de fundações e offshores para pagar menos impostos. A IKEA está tão maravilhada com este país que generosamente distribuiu tanto subsidio que até está a pensar apostar na energia solar tal a mina de ouro de subsídios que existem!!
– energias renováveis, o sobrecusto em 2009 foi de 800 milhões € e em 2010 foi de 1200 milhões € !! São fortunas em subsídios todos os anos. Como é que há gente que tenha a lata de falar de subsídios no caso das escolas ?
As escolas de contrato de associação são praticamente uma parceria público privada. E não houve nenhum governo como os socialistas (Guterres e Socrates) que tenha criado mais parcerias público privadas, umas 70 parcerias e talvez uns 30 mil milhões € de investimento.
Admitindo que de facto há escolas que hoje não faça sentido esta pareceria actualmente, é bem provável que de facto haja muitas, mas segundo uma notícia do Público (acho eu), havia pelo menos 19 escolas que não tinham nenhuma pública a menos de 15km. Ora, este corte é portanto cego e tremendamente injusto. Imaginem como é que uma escola se desenrascar levando um corte de 30% de um momento para o outro ?
É preciso cortes e sacrifícios ? Sim senhor, vamos a isso, mas então que o ministério da educação mostre que é sério e corte de imediato 30% do orçamento do ministério da educação.
O resto é conversa de tolos que se deixaram enrolar na propaganda do Socrates. Discussão para entreter tolos. Na saúde por exemplo, a maior concorrência privada à saúde pública vem da HPP, cujo proprietário é a CGD, controlada pelo PS.

E nem é apenas doutrinar- é impor aqueles esquemas que destroem as hierarquias e mando.

É fazerem das direcções uma palhaçada à ordem da burocracia imbecil do Ministério, como fazem das escolas públicas, igual palhaçada com “Conselhos Directivos” eleitos por partidarite das Câmaras e de tudo o que saqueia os lugares de chefia.
As tais “forças vivas da terra”. Jacobinas, poleiros para apaniguados e formas de controle que depois criam o caos no ensino.

Pois, eu penso que o que sustenta toda esta imbecilidade é mesmo uma ideologia.

O totalitarismo e necessidade de controle deriva mais dela do que de necessidades de cortes de subsídios.

E esse totalitarismo tem entrado nas escolas, sejam privadas, mistas ou públicas. E é por isso que é mentira quando se fala em “projectos privados de ensino” que qualquer português pode criar.

Colégios sim, mas para os homens do Regime 😉

Zazie, nada de ensino privado ok? Assim com a escola pública é mais fácil doutrinar para o politicamente correcto esquerdóide.

Comments are closed.